15 de dezembro de 2020

Saiba o que mudou no cálculo do INSS com a Reforma da Previdência

calculo do inss depois da reforma

A reforma da previdência, aprovada em novembro do ano passado, trouxe inúmeras mudanças nas regras de aposentadoria. Entretanto, essas mudanças não impactam somente o futuro das aposentadorias, elas alteram também as rotinas de cálculo do INSS na folha de pagamento.

O novo cálculo passou a valer em março deste ano. A principal mudança no cálculo do INSS é que, após a reforma da previdência, as alíquotas de arrecadação passaram a ser progressivas. Isto é, aumentam gradualmente de acordo com a faixa salarial.

Essa mudança tem o objetivo de propor uma arrecadação mais justa, baseando-se no princípio da capacidade contributiva, em que quanto maior o salário maior a contribuição ao imposto e quem ganha menos contribui menos.

Com a mudança proposta pela reforma da previdência, agora os contribuintes possuem quatro alíquotas progressivas a serem aplicadas sobre seu salário. Antes, a tabela do INSS era composta por três faixas que eram aplicadas diretamente na remuneração do colaborador. Com a nova forma de cálculo para saber o valor a ser deduzido do salário, é necessário passar por cada faixa salarial.

Para entendermos melhor essa alteração, vamos observar como era a tabela antiga:

  • 8% para quem recebia até R$ 1.830,29;
  • 9% para quem recebia entre R$ 1.830,30 e R$ 3.050,52;
  • 11% para quem recebia entre R$ 3.050,53 e R$ 6.101,06.

Agora, para realizar esse cálculo devemos observar a nova tabela do INSS com quatro faixas de salário:

  • 7,5% para quem recebe até R$1.045;
  • 9% para quem recebe de R$1.045,01 a R$2.089,60;
  • 12% para quem recebe de R$2.089,61 até R$3.134,40;
  • 14% para quem recebe de R$3.134,41 até R$6.101,06.

 

Leia também!

Beneficiário que teve descontos indevidos na aposentadoria recebe indenização do INSS

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.